Marechal Deodoro: imersão cultural e histórica.

Bem pertinho de Maceió, existe um município chamado Marechal Deodoro que abriga grandes tesouros da arquitetura colonial, história do Brasil e inúmeras belezas naturais. Provavelmente você já esteve ou ouviu falar na praia do Francês, mas que tal descobrir mais sobre esse lugar?! Clica no botão e veja mais.

Marechal Deodoro é um dos destinos mais importantes de Alagoas, uma cidade muito bem conservada historicamente e religiosamente também. Museus, ruas, igrejas e construções dos séculos XV, XVI e XVII podem ser vistos em toda parte histórica do município. Mas, um imóvel chama atenção de bastantes visitantes: a casa do Marechal Deodoro da Fonseca, proclamador e primeiro Presidente da República.

Fachada original da casa de Marechal Deodoro da Fonseca. Foto: Wellington Alves – Secom Marechal Deodoro

Museu Casa de Marechal

A casa mantém a fachada original e atualmente, a residência foi adaptada e transformada em um museu. A visitação é gratuita e diária, a partir das oito horas da manhã até às cinco da tarde. O local é rico de memórias e costumes da época, assim como utensílios pessoais do militar. “Recebemos 41 peças direto do Rio de Janeiro, graças a Deus antes do fogo que deu no Museu Nacional e estão em Marechal à disposição do turista”, contou o Guia de Turismo, Fernando Marques.

Espada, gorro, outros objetos pessoais e porcelana europeia de imenso valores estão disponíveis à visitação. O passeio é conduzido por guias mirins que informam sobre a vida e os utensílios à mostra. “Alguns objetos são réplicas e outros originais”, completa o guia sobre os atrativos. As restaurações das peças originais foram feitas por na própria cidade devido o valor histórico que possuem. “Ainda hoje possui na casa a escarradeira, usada por famílias coloniais para cuspir o fumo durante a conversa. Outro artefato curioso é um vaso que era usado para transportar manteiga e depois se transformava em penico”, explicou Marques.

Foto: Wellington Alves – Secom Marechal Deodoro

Igrejas

Na época da colonização, o catolicismo era a única religião presente e praticante dentro da Europa. Com a vinda dos portugueses, holandeses e franceses, as tradições também foram sendo incorporadas ao território brasileiro. A cidade de Marechal Deodoro recebeu muitas igrejas, aproximadamente 56, entre elas a de Nosso Senhor do Bonfim, sendo mais antiga de Alagoas, construída em 1611.

Dentre as praxes, uma delas era a construção de um cemitério próximo à pia de batismo e altar das igrejas ou lado das igrejas para que os entes falecidos pudessem ter o privilégio de ficar mais próximos de Deus. “O largo de Nossa Senhora do Carmo era uma igreja construída para abrigar os Carmelitas, ela também seria um convento, mas não a construção nunca foi concluída”, completou o guia.

Palácio Provincial e Circuito a pé

O circuito histórico de Marechal Deodoro pode ser feito caminhando e entre os casarões e calçamentos originais e antigos, destaca-se o Palácio Provincial, onde hoje funciona a prefeitura de Marechal Deodoro. A residência pertencia à Família Fernandes Lima e foi cedida ao Dom Pedro II e a imperatriz Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias na visita deles à Alagoas.

No passeio, o guia chama a atenção para as casas (ainda existem famílias antigas morando, assim como estabelecimentos comerciais) que possuem os beirais, usados para proteção das chuvas. “A situação financeira das famílias eram distinguidas pelas quantidades de beiras, daí surgiu a história de quem tinha a ‘eira’ e a ‘beira’ eram ricos e quem não tinha ‘eira nem beira’ eram os pobres”, esclareceu em tom de brincadeira.  

 

Palácio Provincial e sede da Prefeitura de Marecha Deodoro. Foto: Turismo Alagoas

Museu de Arte Sacra Dom Ranulpho

Na cidade ainda existe o Museu de Arte Sacra, considerado o mais rico do estado de Alagoas. Atualmente, o espaço está sendo restaurado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Marques disse que o ambiente está sendo modernizado.

O acervo conta com mais de 500 peças de santos, as quais foram feitas à mão e muitas delas ainda em madeira de Pau-Brasil (mercadoria muito valiosa para a época). “Hoje temos muitas peças doadas por Minas Gerais, inclusive peças de Aleijadinho e artistas do período colonial, trazidos da França”, disse o profissional.

Leprosário: lenda ou realidade?

Durante muito tempo a praia do Francês teve uma região chamada de Leprosário, onde a invasão francesa dizia ser o local apropriado para os enfermos da lepra não contagiar a população. A região do leprosário era bastante rica em pau-brasil e na verdade, o que os franceses fizeram foi maquiar o local com a construção de um abrigo com o intuito de contrabandear o pau-brasil. Ao longo do tempo, espanhóis, holandeses e britânicos também passaram a explorar a madeira. Um século depois, os colonizadores portugueses descobriram a atividade ilegal e encerraram os negócios envolvendo o pau-brasil.

 

Marechal Deodoro possui ainda diversos atrativos gastronômicos, como a estrada doce e o polo da Massagueira. Durante sua passagem à Maceió, não deixe de visitar a cidade vizinha. Para reservar sua estada, só clicar no link abaixo.

HOSPEDAGEM EM MACEIÓ